Brook

fevereiro 4, 2009

Sobre Brook

Brook já foi um membro do esquadrão de ataques surpresas de um reino muito antigo, um pirata Rumba, um dos nakamas de Laboon. Já morreu uma vez, perdeu todos seus amigos e penou bastante, mas hoje, graças à Yomi Yomi no Mi, ele pode ter uma segunda chance nesse mundo e se tornou o músico do Mugiwara Kaizokudan. Seu sonho acima de tudo é reencontrar com Laboon.

Ele sabe tocar um pouco de todos os instrumentos musicais, embora costume usar mais seu violino e também é um espadachim, assim como Zoro, mas ao contrário deste, que leva suas espadas na cintura, Brook esconde a sua katana, Shikomizue, dentro da bengala que sempre carrega consigo.

Passado: Rumba Kaizokudan

Cinqüenta anos atrás, Brook fazia parte dos piratas Rumba como músico e espadachim. Ele e seu grupo estavam navegando normalmente pelo West Blue quando uma baleia filhote que tinha se perdido do bando começou a seguir o navio. Eles tentaram ajudá-la, dizendo que ela deveria voltar para a sua família, mas a baleia ficou tanto tempo seguindo o navio que acabou virando parte da tripulação e recebeu o nome Laboon.

Desde então, os piratas rumba viveram muitas aventuras e Laboon mostrou não ser um empecilho para eles, mas ao contrário, um verdadeiro pirata. Laboon era especialmente próximo de Brook e adorava suas músicas. Seus nakamas diziam até que Brook e Laboon se pareciam e tinham o mesmo formato da cabeça (por causa do afro).

Porém, chegou a hora da despedida: os piratas iriam atravessar a Grand Line, mas não podiam levar Laboon, ele era só uma criança. Eles tentaram conversar com Laboon sobre isso, especialmente Brook, mas ela não os deu ouvidos. O jeito então foi parar de cantar ou tocar até que Laboon fosse embora. Foi um momento muito triste para a tripulação, mas eles tinham que seguir em frente e uma semana depois já estavam do outro lado da Grand Line. Lá, eles conheceram Crocus, o guardião do farol e já estavam pensando em fazer uma comemoração, mas havia um problema.

Para a surpresa de todos, Laboon tinha seguido-os e atravessado a Grand Line sozinha. Passaram-se três meses e quando os reparos do navio estavam completos, os piratas decidiram partir. Crocus ficaria tomando de conta de Laboon por dois ou três anos até que eles voltassem. Laboon concordou e esperou. Os três anos se passaram e o grupo ainda não estava nem perto de completar sua missão antes de voltar. Sem que ninguém esperasse, o capitão dos piratas Rumba, Calico Yorki, contraiu uma doença desconhecida e fatal. Eles desembarcam em uma ilha, onde o capitão decidiu abandonar o grupo e levar esse parasita para um local bem distante, como o Calm Belt.

Algum tempo depois, o grupo ainda sobrevivia e Brook ganha uma recompensa por sua cabeça. Mais um período se passa, até que eles são atacados com armas envenenadas em um duelo com outro navio. Muitos morreram e o restante sabia que o veneno não iria demorar muito para matá-los. Brook então convidou todos para tocar uma última música; talvez ele voltasse à vida graças à fruta do diabo que havia comido tempos atrás, mas ninguém sabia se iria dar certo. De qualquer maneira, Brook preferiu deixar seu Tone Dial ligado para gravar a última e tão querida música dos piratas Rumba. Eles começaram a tocar e cantar, e de um em um, foram caindo.

Foto de Brook:

brook3


Monkey D. Garp

fevereiro 3, 2009

História

No passado, treinou Luffy e Ace, levando-os a beira da morte várias vezes, seu sonho era que Ace e Luffy se tornassem marinheiros, o que o deixa extremamente irritado ao ver que seus netos viraram piratas mundialmente conhecidos e perseguidos pelo governo mundial. É também pai do revolucionário Monkey D. Dragon.

Treinou Coby e Helmeppo.

Temperamento

Seu temperamento não é diferente dos seus netos, ele também tem a péssima mania de dormir do nada nas situações mais exóticas, como Ace (que dorme quando está comendo), ou Luffy (que dorme quando está pensando), isso é uma doença típica da familia.

Técnicas

O ataque mais poderoso(dos quais foram mostrados) conhecido dele são os meteoros do Garp, onde ele lança uma rajada de bolas de canhão no inimigo.

Foto de Monkey D. Garp:

monkey-d-garp


Nico Robin

fevereiro 2, 2009

Habilidades

Em sua infância foi muito procurada por causa da recompensa que havia pela sua cabeça fazendo com que se transformasse numa mulher inigualavelmente forte.Nico Robin comeu a Hana Hana no Mi, uma Akuma no Mi que a possibilita “brotar” partes visíveis de seu corpo em qualquer lugar que ela quiser. ‘Hana’ quer dizer “flor” em japonês. Os nomes dos ataques de Nico Robin são um misto de inglês, francês e espanhol, como por exemplo: “Cien Fleur” , ‘cien’ significa “cem” em espanhol e denomina o número de braços que ela usará e ‘fleur’ quer dizer “flor” em francês.

Além disso, ela possui a rara habilidade de ler poneglifos que traz consigo uma triste história.

Entrou para o bando do Chapéu de Palha após ser salva por Ruffy, ferida e desejando a morte pediu para Ruffy a deixar morrer, mas Ruffy disse que não tinha o porque de seguir suas ordens, ela se esconde no navio até a fuga do bando perseguido pela Marinha, ela não é bem aceita pelo grupo no começo, ela diz que é dever do Ruffy agora deixa ela entra no bando, já que ele não deixou ela morrer como queria, Ruffy e Chopper aceitaram na hora, Zoro fica sempre com o pé atrás com ela, mas vai amolecendo com o tempo, Nami é a primeira a dizer que esse lado bom dela não engana, mas foi Robin trouxe uma bolsa de jóias do Crocodille para ela e adora Robin, Usopp também fica com o pé atrás por cinco minutos antes de cair no chão de tanto rir com os truques de sua habilidade e Sanji não a recusa nem por um minuto no bando, ao ponto de servir chá pela primeira vez que a vê.

Ela ajuda muito o bando e é parte principal da equipe, apesar de ser calada, ela adora todos do seu jeito, é sempre bem reservada como Zoro, sempre lê livros na viagem ou nas festas do navio, tem uma secreta missão que pode colocar em risco o destino da humanidade.

Passado

 

Sua mãe, Nico Olvia, era uma arqueóloga que partiu em busca dos poneglifos deixando Nico Robin aos 2 anos nos cuidados dos tios em Ohara, a ilha dos arqueólogos. Tendo as habilidades de uma Akuma no Mi, Robin foi tratada como um monstro e judiada por praticamente todos os habitantes da ilha, inclusive seus tios, ganhando apelido de Filha do Demônio. No entanto, tendo interesse por leitura, Robin desde pequena teve acesso à grande biblioteca de Ohara, administrada pelo Doutor Clover onde encontrou seus verdadeiros amigos e logo tornou-se uma arqueóloga adquirindo aos poucos a capacidade de ler poneglifos.

Passado alguns anos, Robin encontra um gigante naufragado, seu nome é Jaguar D. Saul e este a alerta sobre os perigos que os arqueólogos de Ohara correm: o Buster Call/Chamado Demolição.

O governo não permite o estudo dos poneglifos e, descoberta os esforços de Ohara em descobrir a história, ali se tornara um lugar muito perigoso. Alarmada, Robin corre para avisar seus amigos, o que ela não sabia no entanto, era que sua mãe escapara da emboscada e voltara para avisar seus companheiros.

Os navios da CP9 se aproximam e começam a evacuar a área, a fim de salvar inocentes. Os arqueólogos são capturados e Nico Robin chega à cena finalmente sem saber da presença de sua mãe ali, Doutor Clover pede para que ela não revele ser uma arqueóloga ou ela pode morrer e Olvia não quer que Robin se torne a filha de uma criminosa.

Encurralado, Dr. Clover começa a revelar seus descobrimentos sobre os poneglifos para que todos saibam e antes que revele o nome da civilização perdida ele é morto e o caos volta a reinar. Alegando que “Ohara sabe demais” a ilha toda deve sucumbir, sem haver sobreviventes.

Olvia finalmente revela sua identidade para Robin e pede para que ela viva. Enquanto Robin foge, os arqueólogos lutam para salvar seus livros das chamas e passar seu conhecimento adiante. Saul sacrifica sua vida para que a menina possa fugir e acaba morto por Aokiji que congela a água em um caminho de gelo e deixa que ela fuja, alegando desejar ver o que se tornará a protegida de Saul. Chocada, Robin navega enquanto Ohara queima sem deixar sobreviventes.

Assim, Robin ganha a recompensa de 79 milhões de Berries por uma falsa desculpa de ter afundado 6 navios sozinha, por causa disso, foi traída e caçada por pessoas comuns diversas vezes e acabou se envolvendo com grupos criminosos para poder ter acesso aos poneglifos encontrando um dia, Crocodile e a Baroque Works.

Foto de Nico Robin:

nico-robin1


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.